Igor Cornelsen – Conselheiro de Investimentos

Igor Cornelsen praticando sua segunda coisa favorita na vida, golfe.

“Eu tento não ser influenciado por outros analistas ou professores nem nada do tipo. Eu acredito que é melhor formar minha opinião com fatos do que com opiniões.”

Igor Cornelsen nasceu em 4 de Outubro de 1947 em Curitiba, Brasil. Em 1965, Igor estudou engenharia na Universidade Federal do Paraná. Na época, esta era a única escola de engenharia nos estados do Paraná e Santa Catarina, tornando o sistema de admissão extremamente competitivo. Após ter estudado por 2 anos para se tornar um engenheiro, Igor tomou a fatídica decisão de estudar economia na mesma universidade.

O senhor Cornelsen se formou em 1970 e conseguiu um emprego em um banco de investimentos. Uma prática comum para os engenheiros na época, devido à habilidade especial deles para calcular taxas de juros compostos com réguas de cálculo. Uma técnica inestimável em uma época em que calculadoras e computadores não eram tão utilizados.

Igor começou a ganhar fama neste setor, eventualmente indo parar no Rio, com uma oportunidade especial de trabalhar como um banqueiro de investimentos. Ele se tornou o melhor de sua turma e foi promovido para o conselho administrativo do Multibanco em 1974, tornando-se CEO 2 anos depois, em 1976.

Mas o Multibanco foi comprado pelo Bank of America em 1978 e Igor saiu para buscar novas oportunidades.  A primeira oportunidade que apareceu foi um emprego no Unibanco, que era uma das firmas de investimentos líderes no Brasil. Ele trabalhou ali até 1985, quando a taxa de inflação estava explodindo. Depois Igor foi contratado pelo Libra Bank PLC, que era um Banco de Investimentos de Londres.

Isso marcou um ponto interessante em sua carreira, já que foi a primeira vez que ele recebeu seu salário em dólares americanos, abrindo um novo mundo de oportunidades para investimentos. Depois de continuar seu sucesso aqui, o Sr. Cornelsen mudou-se com seus colegas de Londres para o Standard Chartered Merchant Bank, como membro do conselho de administração e representante no Brasil. Lá ele teve grande sucesso como membro do conselho por 7 anos. Até 1995, quando Igor Cornelsen deixou este cargo para iniciar sua própria empresa de investimentos, fornecendo os mesmos serviços que ele estava oferecendo para os bancos comerciais de Londres. Igor ainda atua como um gestor de investimentos e opera seu fundo de investimentos diariamente.

Esquiar na Noruega from Igor Cornelsen on Vimeo.

De onde surgiu a ideia para a sua carreira de assessoria de investimentos?

A ideia do meu negócio é uma consequência da minha experiência como um banqueiro de investimentos. Eu gerencio fundos na bolsa de valores desde 1971 para os bancos em que trabalhei, então foi uma mera consequência de minha própria experiência.

Como é um dia típico na sua vida e como você o torna produtivo?

Meu dia de trabalho começa muito cedo pela manhã em São Paulo, quando os mercados estão abrindo na Europa. Eu observo as notícias internacionais e estudo economias e empresas durante o dia, adaptando o portfólio do meu fundo de acordo com isto. Alguns dias eu participo de reuniões com outros colegas e encontro amigos para aprender sobre seus pontos de vista.

Como você transforma suas ideias em realidade?

Eu sigo as economias que estão melhorando, invisto ativos nessas economias e normalmente vendo ativos em países que acredito que irão se deteriorar devido a problemas políticos ou decisões econômicas.

Qual é uma tendência que realmente o deixa empolgado?

O que me entusiasma é quando eu percebo antes de outros participantes uma nova tendência que vai mudar o mercado. Os mercados têm predisposições ideológicas, e a ideologia não é uma boa conselheira para os investimentos.

Qual é um hábito seu que o torna mais produtivo como empreendedor?

O que me ajuda nos investimentos é a quantidade de tempo em que eu obtenho informações diretamente da Reuters, em vez de perder tempo com análises produzidas por outros investidores ou analistas. A Reuters não é tendenciosa e fornece boas informações.

Que conselho você daria para sua versão mais jovem?

O conselho que eu daria aos jovens gestores seria ler um monte de informação e não se importar com a opinião de outros participantes do mercado. Eles têm de aprender como as notícias irão afetar os mercados e a olhar para o mundo como um todo, em vez de pequenos pedaços.

Diga-nos algo que é verdade que quase ninguém concorda com você.

Eu não conheço uma única ideia que todos os outros participantes do mercado discordem de mim.

Há sempre alguém que tende a pensar sobre um assunto como eu.

Eu tinha algumas ideias das quais a maioria dos participantes do mercado discordariam no passado.

Um deles foi o euro, que quase todo mundo acreditava que iria desaparecer na primeira recessão europeia e eu estava convencido de que iria permanecer até uma moeda internacional substituí-lo.

Em 2010, eu tinha vendido todos os meus ativos no Brasil porque eu pensei que o novo modelo econômico que o governo estava implementando seria um desastre para a economia. Alguns economistas concordaram comigo, mas eu não conheço qualquer pessoa que tivesse vendido todos os ativos brasileiros por causa disso. Vendi todos os meus ativos em março de 2010, muito antes dos outros investidores.

A Rússia deu um calote sobre sua dívida no final do século passado. Naqueles dias ninguém acreditava que a Rússia iria voltar para o mercado e tentaria pagar as suas obrigações. Não conheço ninguém que tenha apostado que a Rússia tentaria chegar a um acordo com seus credores. Eu apostei nisso e fui muito bem recompensado.

Qual é uma estratégia que ajudou você a crescer o seu negócio?

Eu não tenho uma estratégia específica para crescer meu negócio. Ele cresceu devido à descoberta de ativos depreciados antes dos outros.

Qual foi um erro que você cometeu como empreendedor e como você o superou?

Eu falhei como investidor quando em 2007 eu fechei todas as posições em commodities que tinham menor valor, em vez de vender todas as minhas ações. Você tem que vender o que é caro e comprar o que é barato. Em 2007 eu fiz o oposto, acreditando que eu estava sendo conservador.

O que é um software ou um serviço na web que ajuda você a ser produtivo? Como você o usa?

Eu uso Reuters News, já que eles não são tendenciosos e apenas relatam o que está acontecendo.

Qual é sua citação preferida?

Eu tento não ser influenciado por outros analistas ou professores nem nada do tipo. Penso que é melhor formar minha opinião com base em fatos do que em opiniões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.